Geral da Terra, do ar, do mar e da Lua... Alma das flores, das cores, das pessoas nas ruas... Geral de tudo que se vê, de tudo que se ouve, das verdades nuas.

12/11/2007

O Grêmio e as arbitragens

Amigos Gremistas!
Está certo que o nosso time vem desmoronando a cada partida e que vem perdendo muito mais por suas próprias debilidades do que qualquer coisa.
Mas, também, é inegável que as arbitragens têm prejudicado e muito nossa campanha.
Foram erros e mais erros que inverteram resultados e que despedaçaram as escalações através de suspenções por súmula ou relato ao STJD.
Mesmo assim, repito, o Grêmio é, sim, o grande culpado por sua penúria neste final de campeonato.
Mas a reflexão é válida.
Wagner Tardelli não deveria jamais apitar uma partida do Tricolor depois do ocorrido em Curitiba, mas, não.
A CBF e a comissão de arbitragem fizeram questão de colocá-lo no "sorteio" do jogo com o São Paulo.
Coincidência ou não, ele marcdou pênalti inexistente e perdemos o jogo.
E a reflezxão vem por aí...
Quantos pênaltis inexistentes neste e em outros Brasileirões?
Impedimentos mal marcados?
Ou não marcados?!
O Flamengo somente não caiu um tempo atrás porque nos últimos jogos empilhou erros de arbitragem a seu favor.
Ano passado, o São Paulo recebeu encomendado o título das mãos dos homens do apito, jogo após jogo...
Tive muita relutância em chegar a uma conclusão: CHEGA DE PONTOS CORRIDOS, É PRECISO FASE SEMIFINAL E FINAL.
Não que fiquemos livres dos erros, mas em um campeonato como este, como está hoje, o título vai sendo entregue ao longo do certame.
São pequenos erros que, acumulados, ao cabo das 38 rodadas, dão forma a uma grande "arrumação" para o campeão - o que fica, no mínimo, mais difícil no mata-mata.
E o maniqueísmo está exatamente na aparência destes erros esparsos, que literalmente somem no meio da maratona de pontos.
Mas eles não deixam de existir.
Nestas últimas rodadas vimos o juiz errar escandalosamente contra nós em um jogo com o Flamengo - que vem sendo, sistematicamente ajudado pela CBF, tanto na remarcação de seus jogos como dentro do campo, e pela mídia, que esconde estes erros, ocultando replays e ângulos mais apurados.
E está lá, o mengão, na zona da Libertadores, prestes a ser o vice-campeão brasileiro...
Vergonha total.
Fica realmente complicado continuar torcendo no futebol dessa maneira.

Mas isso tudo não exime de culpa a comissão técnica Tricolor e a direção.
Não é culpa da arbitragem o Mano insistir com jogadores como Diego Souza, que não tem mais nenhum compromisso com o clube, ou então com Patrício e Éverton, dois pernas-de-pau natos...
Ou então essa arrogância toda da nossa direção, que não bate pé oficialmente contra os desmandos da CBF, usando da diplomacia e agindo como verdadeiros dirigentes.
Preferem agir como uma gangue, um bando de desequilibrados correndo por aeroportos e vestiários atrás dos seus algozes para aliviar suas frustações com safanões...

Se não mudar a política do clube e a política de futebol, não vai adiantar em nada mata-mata no Brasileirão.
Daqui, só para baixo, infelizmente.

Mesmo assim, saudações Tricolores!
Seguimos esperançosos!

5 Comentários:

Anonymous Hélio Sassen Paz disse...

Guga,

Por favor, permita-me discordar dessa tua indignação movida muito mais pela paixão e pela parcialidade do que pela razão e pelo conhecimento a respeito de vários detalhes que podem te fazer refletir melhor.

Erros de arbitragem sempre existiram. E já foram muito mais clamorosos. Ao que tudo indica, já deve ter havido muito mais manipulação de resultados a favor dos clubes do centro do país (a velha mania bairrista e coitadista de gaúchos x resto do mundo) do que na atualidade.

A fórmula por pontos corridos é a mais justa e a única capaz de avaliar com a menor chance de erro tecnicamente existente quem é o melhor ao longo de uma temporada.

Eu, como sócio do Grêmio, pago pra ver 38 rodadas do Brasileirão por ano. São 53000 torcedores que pagam não pra ver um turno de 19 jogos e, QUEM SABE, mais duas partidas pelas quartas-de-final, duas pelas semifinais e duas pela final. Pra quem tem salários pra pagar e uma estrutura enorme pra manter parada, quem cai fora antes entra em férias de 30 a 45 dias antes do fim do ano, com 60 a 75 dias de salários e de n contas pra pagar sem que a atividade-fim do futebol, que é treinar e jogar pra atrair patrocínios, direitos de TV e convites para excursões (e só convidam time bom).

O Brasileirão de 1982 teve várias fases e final. O Grêmio foi roubado dentro do Olímpico pelo sr. Scolfaro quando Paulo Isidoro chutou e Andrade ou Adílio tirou com a mão uma bola que estava entrando. Não foi pênalti, não houve expulsão, nem nada. E o Grêmio perdeu por 1x0.

Mas o Grêmio também teve a sua dose de culpa. Afinal de contas, saiu ganhando no Maracanã e cedeu o empate de maneira ridícula, assim como, no Olímpico, levou um contra-ataque ridículo, apenas com Zico e Adílio frente a frente com Leão no momento do gol.

Cara, não cai na pilha do Hiltor Mombach. Isso é atestado de bairrismo e de pequenez.

[]'s,
Hélio

12/11/2007 15:05

 
Anonymous Hélio Sassen Paz disse...

AH! E o pênalti existiu, sim, senhor. Ninguém manda o Léo ser afoito e inexperiente a ponto de não ter obstruído a passagem do Dagoberto ANTES da linha da área e não sobre a linha.

Linha é área. Se tem uma perna na frente da minha e eu não consigo desviar, me jogo. Mas não pra ludibriar a arbitragem e, sim, porque sei que, se forçar a barra e enfrentar o coxão do adversário com a perna dura, vou torcer o joelho ou o tornozelo se cair duro ou se tentar me manter em pé estando desequilibrado. ;)

O Grêmio está cheio de jogadores de QI baixo, excessivamente passionais e tecnicamente fracos. Essa é uma verdade que precisa ser dita.

[]'s,
Hélio

12/11/2007 15:08

 
Anonymous Hélio Sassen Paz disse...

Pra terminar: não houve nenhum erro clamoroso, gigantesco, imperdoável que tenha decidido o jogo contra o Flamengo.

Mesmo quando a arbitragem erra, time suficientemente bom não perde jogo por causa dela, a não ser quando é um confronto parelho demais e decisivo.

[]'s,
Hélio

12/11/2007 16:52

 
Anonymous Jeremias disse...

Por mais procedentes que sejam os argumentos, o pênalti não existiu. O jogador Dagoberto saltou e se atirou feito peixe sobre a perna do zagueiro gremista. Isso não é pênalti. é simulação.
Mas, enfim, não foi só por causa desse pênalti que o ^Grêmio está por não alcançar a classificação.

12/11/2007 18:27

 
Blogger Carlos Eduardo da Maia disse...

Também acho que o penalti existiu. O Grêmio perdeu a pegada, porque não tem banco. E o Mano administrou muito mal duas partidas> contra o Palmeiras e contra o Atlético PR. Foi exatamente nessa última partida que o Grêmio perdeu a pegada. Jogou razoavelmente no primeiro tempo, mas como joga fora, desandou no segundo tempo. O Grêmio vai ser penta da Copa do Brasil em 2008.

14/11/2007 16:34

 

Postar um comentário

<< Home